domingo, 3 de maio de 2015

10 cidades fantasma mais conhecidas



A devastação e o abandono constituem características que atraem os visitantes em cidades fantasma. Outra é aumentar a produção adrenalina, o medo é inevitável. Já na provável cidade fantasma mais famosa Pompeia, na Itália, o que prende a atenção são as expressões de dor nos rostos das múmias. Foi um próspero centro de cultura e arte, extremamente evoluído. As consequências da erupção do Vesúvio foram devastadoras, morreram todos seus habitantes.


Ilha Hashima

© Shutterstock

É uma das 505 ilhas não habitadas da província de Nagasaki, distante aproximadamente 15 quilômetros da cidade. Foi por quase cem anos uma cidade de mineração de carvão. Com a substituição do carvão por petróleo no Japão durante a década de 1960, as minas de extração do mineral começaram a ser fechadas por todo o país, e as de Hashima não foram exceção. A Mitsubishi anunciou oficialmente o encerramento de suas atividades na ilha em 1974, e o local foi totalmente evacuado, passando a ser conhecido como "Ilha Fantasma".


Agdam, Azerbaijão

© Shutterstock

Agdam era uma cidade com cerca de 30.000 habitantes que foi completamente destruída em 1993, quando da guerra de Nagorno-Karabakh. Fundada no século XVIII, foi capturada em 1993 por forças armênias. Seu centro urbano foi destruído pelos inimigos para evitar que fosse novamente habitada, ainda que danificado resta ainda o mosteiro que guarda parte do passado grandioso.


Oradour sur Glane, França

© Shutterstock

A aldeia de Oradour-sur-Glane em Haute-Vienne na França foi ocupada pelos nazistas e destruída em 10 de junho de 1944, quando 642 de seus habitantes, incluindo mulheres e crianças, foram massacrados. Desde então este é um local inabitado e intocado, por ordem do General Charles de Gaulle, para que sirva de memorial às vítimas. As ruínas da aldeia original permanece como um memorial para os mortos e para representar sites e eventos similares. Em 4 de setembro de 2013, o presidente alemão Joachim Gauck e o presidente francês François Hollande visitou a aldeia fantasma de Oradour-sur-Glane.


Pripyat, Ucrânia

© Shutterstock

Pripyat foi fundada em 4 de fevereiro de 1970 com objetivo de abrigar os trabalhadores da Usina Nuclear de Chernobyl. Foi oficialmente proclamada como uma cidade em 1979, porém foi abandonada em 1986, após o acidente nuclear de Chernobil. Situada no norte do país, tinha uma população de quase 50 mil habitantes. Os turistas que visitam a cidade têm licenças especiais. A cidade tem muitos apartamentos, em que foram abandonados fotografias, brinquedos infantis, roupas e outros itens pessoais. Existem também restaurantes, parques, hospitais, escolas e ginásios abandonados.


Kolmanskop, Namíbia

© Shutterstock

Kolmanskop se localizam na Namíbia, Sudoeste da África. Namíbia era colônia alemã e, no início de 1900, jazidas de diamantes foram descobertas na área do deserto, no arredores de Luderitz (atual Namíbia). Neste deserto cresceu a elegante cidade de Kolmanskop. Cerca de 700 famílias viviam na cidade, incluindo 300 adultos, 40 crianças e cerca de 800 trabalhadores. Logo após o esgotamento das jazidas, pós Primeira Guerra Mundial, a descoberta de depósitos maiores ao sul em Oranjemund, fez com que começasse o fim de Kolmanskop. Assim, no prazo de 40 anos, a cidade nasceu, floresceu e e morreu. Atualmente as casas estão ocupadas pelas areias do deserto.


Humberstone, Chile

© Shutterstock

Foi fundada em 1862, em torno de uma mina de nitrato em La Palma, em 1925, foi rebatizado Humberstone. A cidade viveu os seus tempos áureos como mineração combinado nitrato e centro de processamento na década de 1930 e dos anos 40. A cidade sofreu uma morte lenta, levando três décadas para se tornar completamente abandonada. Reabriu na década de 1970 quando foi declarada monumento nacional e tornou-se atração turística.


Port Arthur, Tasmânia

© Shutterstock

Port Arthur está localizado cerca de 60 quilômetros ao sul a leste da capital do estado, Hobart. A partir de 1833, até 1853, era sua função principal servir de presídio para criminosos perigosos. É considerado um dos locais mais assombrados do mundo, considerando-se os massacres ocorridos e pessoas afirmam que já ouviram ruídos suspeitos e viram figuras fantasmagóricas nas imediações. Chegou a ser vendida como prisão de onde não se poderia escapar, mas em 1842, o fugitivo Martin Cash e dois amigos escaparam nadando pelas águas infestadas de tubarões.


Kayakoy, Turquia

© Shutterstock

É uma vila de 8 km a sul de Fethiye, no sudoeste da Turquia, foi construída provavelmente no século XVIII. Museu da vila, é composto por centenas de resumo, mas ainda de pé estão na sua maioria casas e igrejas que cobrem uma pequena montanha estilo grego e serve como um ponto de parada para turistas que visitam Fethiye e nas proximidades Ölüdeniz. Ela agora está vazia, exceto pelos grupos de turismo e vendedores de rua que vendem produtos artesanais. No entanto, há uma seleção de casas que foram restauradas, e poderão já estar ocupadas.


Bokor Hill Station, Camboja

© Shutterstock

A cidade foi construída como um resort por coloniais francesas colonos para oferecer uma fuga do calor, umidade e insalubridade, em 1920, em meio às Montanhas Dâmrei, na região sul do país. A peça central do resort foi o grande Bokor Palace Hotel & Casino, complementado por lojas, uma estação de correios (hoje demolido), uma igreja e o Royal Apartments. Foi abandonada no fim da década de 1940, durante a Primeira Guerra da Indochina.


Pompeia, Itália

© Shutterstock

Foi uma das mais evoluídas cidades do Império Romano. Pompeia permanece em excepcional estado de conservação por ter sido soterrada por uma chuva de cinzas - e não pela lava - que cobriu em seis metros de altura a cidade durante a erupção do vulcão Vesúvio, em 79 d.C. São muitas os locais para visitação: Basílica de Pompeia, local que, apesar do nome, não tinha função religiosa, mas cívica: ali era aplicada a Justiça e firmadas as negociações econômicas. As ruas de Pompeia antiga tinham estrutura similar às de hoje, com calçadas para pedestres e local para tráfego de veículos.



* A natureza não faz nada em vão. - Aristóteles -


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é sempre bem-vindo