segunda-feira, 12 de setembro de 2016

13 cidades que correm grande risco de terremotos

Em seu sentido mais geral, a palavra "terremoto" é usada para descrever qualquer evento sísmico - natural ou causado pelo ser humano - que gere ondas sísmicas. Os terremotos são causados ​​principalmente por ruptura de falhas geológicas, mas também por outros eventos, como atividade vulcânica, deslizamentos de terra, explosões de minas e testes nucleares. O ponto de ruptura inicial de um terremoto é chamado seu foco ou hipocentro. O epicentro é o ponto ao nível do solo diretamente acima do hipocentro.

Os maiores terremotos já registrados têm sido de magnitude ligeiramente superior a 9, apesar de não haver um limite para a intensidade de terremotos.

Um terremoto de alta intensidade também pode diminuir a rotação do planeta, como, por exemplo, o que ocorreu no Chile em 27 de fevereiro de 2010, que provocou movimento de oito centímetros no eixo de rotação terrestre.

Estima-se que cerca de 500 mil terremotos ocorram a cada ano, detectáveis através do uso da instrumentação atual. Cerca de 100 mil destes tremores podem ser sentidos.

Cerca 90% dos terremotos do mundo (e 81% dos maiores) acontecem em uma zona em forma de ferradura cm 40 mil quilômetros de comprimento chamada de Anel de Fogo do Pacífico, que em sua maior parte está nos limites da Placa do Pacífico.

São Francisco, Califórnia, USA

A Califórnia fica na linha de falha de San Andreas e uma recente pesquisa do Instituto Mundial Geological descobriu que a região tem mais do que 99% de probabilidade de ser atingida por um forte terremoto nos próximos 30 anos.

São Francisco também está perto da zona de Subducção de Cascadia, onde as placas da América do Norte entram em atrito com a Placa do Pacífico.
© David Weintraub/Getty Images

Tóquio, Japão

Tóquio é frequentemente atingida por terremotos, embora muitos sejam pequenos e quase imperceptíveis.

O potencial para a cidade a ser atingida por um grande tremor é forte por ela estar acima da borda ocidental do Anel Notório de Fogo, uma fronteira onde enormes placas da crosta da Terra se encontram e continuamente entram em colisão.
© Adam Pretty/Getty Images

Osaka, Japão

Osaka também fica sobre o Anel de Fogo e está igualmente sujeita a tsunamis e tufões - catástrofes que têm uma tendência para amplificar um ao outro.

Qualquer desastre natural na região poderia potencialmente afetar perto de 14 milhões de pessoas.
© Jiji Press/Getty Images

Jacarta, Indonésia

Não só Jacarta está localizada sobre o Anel de Fogo, como ainda, pouco menos do que a metade da cidade, está localizada abaixo do nível do mar.

Isto significa que o solo macio por baixo da cidade pode potencialmente liquefazer se ocorrer um terremoto de grandes proporções.
© STR/Getty Images

Manila, Filipinas

Terremotos tão fortes com uma magnitude 6 na Escala Ritcher são comuns nesta região por causa da posição da cidade sobre as placas do Anel de Fogo. A cidade também está em risco de tsunamis no rescaldo de qualquer grande atividade sísmica.

O solo macio poderia aumentar a proporção da tragédia, destruindo ainda mais a cidade.
© Ted Aljibe/Getty Images

Los Angeles, Califórnia, USA

O San Andreas Fault e o San Jacinto Fault - duas das falhas mais ativas do sul da Califórnia - passam próximas a Los Angeles, aumentando substancialmente o risco de terremotos.

As duas linhas de falha pode romper em conjunto e, potencialmente, produzir uma magnitude de 7,5 ou ainda maior, dependendo da área do atrito.
A falha de San Andreas tem produzido alguns dos maiores sismos da atualidade.
© David Hume Kennerly/Getty Images

Teerã, Irã

Além de ser a região mais populosa do Irã, Teerã também se encontra próxima a três grandes linhas de falhas. Quando a cidade estava desenvolvendo-se, terremotos não estavam no foco de suas práticas de construção.

O governo realmente tentou dar incentivos monetários para as pessoas mudarem a forma de construção na cidade desde 2010, desta forma, diminuindo o impacto que um terremoto teria no local.
© Majid/Getty Images

Istambul, Turquia

Em Istambul não é estranha a ocorrência de terramotos, uma vez que a cidade está localizada nos limites das placas tectônicas da Eurásia e da África - altamente ativas -, conhecida como o North Anatolian Fault.

A área tem estado livre de terramotos por um tempo, mas os pesquisadores afirmam que o próximo grande tremor poderia atingir cinco milhas a oeste da cidade, afetando cerca de 10 milhões de pessoas.
© Pierre Verdy/Getty Images

Kathmandu, Nepal

Todo o país do Himalaia está no limite entre duas placas tectônicas maciças - a placa Indo-Australiana e a placa asiática - que se chocam e produzem terremotos.

Na verdade, as mesmas colisões, registradas milhões de anos atrás, levaram à formação dos Himalaias. Construções simples colocaram milhares de vidas em risco, como registrado no evento de abril de 2015.
© Niranjan Shrestha/AP Images

Délhi, India

A capital do segundo país mais povoado do mundo encontra-se na mesma zona sísmica como Kathmandu, no Nepal. Délhi fica no topo de várias linhas de falha ativos - Mahendragarh, Moradabad, Delhi-Haridwar Zona Ridge, Sohna e Rajasthan Boundary Fault - juntamente com a mudança de textura do solo.

O dano seria ainda maior pelos padrões populacionais e pobres de construção e da alta densidade na cidade.
© Virendra Singh Gosain/Getty Images

Islamabad, Paquistão

Islamabad é altamente suscetível a terremotos e tremores secundários originários da região de Hindu Kush. A área está próxima a placa da Índia, que passa sob a placa da Eurásia.

A alta densidade das normas de construção da cidade é a chave para uma tragédia em caso de um terremoto.
© Jewel Samad/Getty Images

Quito, Equador

Quito é a única grande cidade do mundo localizada nas encostas de um vulcão ativo e também encontra-se no limite onde a Placa de Nazca move-se sob a placa da América do Sul.

Com quase dois milhões de pessoas vivendo na cidade, um terramoto de magnitude 6 seria catastrófico para grande parte da população.
© John Coletti/Getty Images

Lima, Peru

Os terremotos de Lima são causados pelas mesmas falhas que levantaram a Cordilheira dos Andes. Estas linhas de falhas também são responsáveis pelo maior terremoto já registrado: o terremoto de 9,5 magnitude no sul do Chile em 1960.

Semelhante a Quito, Lima, encontra-se perto de onde a placa de Nazca se encontra com a placa da América do Sul. A maioria dos edifícios construídos antes de 1970 não são resistentes à um terremoto, mas o país tem melhorado consideravelmente os seus padrões de construção desde então.
© STR/Getty Images


Fonte: MSN


"A humanidade tem agora em sua posse todos os meios para provocar uma catástrofe de dimensões tais que pode extinguir a vida humana no planeta." 
- Morris West -


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é sempre bem-vindo