segunda-feira, 13 de novembro de 2017

A boneca, o aspirador, a televisão "inteligente": todos os itens que nos espiam em casa



O problema é a preguiça. Quem tem paciência para ler a chamada política de privacidade dos produtos que colocamos em nossa casa? Nós não. Mas devíamos. Vamos nos arrepender no futuro? Talvez, provável. O resultado é que os objetos nos espiam. Eles mapeiam o apartamento colocando o resultado na nuvem, ou seja, nuvens de dados na rede. Eles nos reconhecem. Eles gravam, nos escutam, nos estudam.
elfandarilha
© Fornito da RCS MediaGroup S.p.A.

Estamos sob os olhos (e os ouvidos) de tantos "Irmãos" menores a quem damos chaves de casa. Como a famosa boneca Cayla que as autoridades alemãs proibiram no ano passado porque foi facilmente pirateada e poderia ser usada para espionar nossos filhos. As autoridades exageraram? Se alguém tivesse posto a questão aqui, a resposta é: não. Há algumas categorias de produtos que estão em circulação, que são considerados potenciais cavalos de Troia com os quais pessoas mal-intencionadas podem facilmente adquirir informações vitais sobre nossas vidas diárias.

Sobre brinquedos: há uma série de produtos inocentes com os quais os estrangeiros podem entrar em contato com nossos filhos. Aspiradores: Recentemente, a empresa iRobot que produz a Roomba, mapeando a casa e interagindo com o servidor doméstico da Amazon, Echo, disse que os dados poderiam ser compartilhados com outras empresas, sob reserva do consentimento prévio. Outro exemplo de aspirador que o espião é o Botvac D7. Televisões inteligentes: alguns modelos gravam nossos itens com as configurações padrão. Poucos sabem como intervir para bloqueá-los. O que é o consentimento informado? O lado fraco do caso: muitas vezes é o clique com o qual estamos acostumados a não pensar no problema.

Temos que lidar seriamente com questões que estão implícitas no fato de que os objetos se comunicam entre si. Os objetos podem identificar o usuário. Quem produz e gerencia o objeto é responsável por avaliar a privacidade do impacto e, se não o fizer, é suscetível a sanções severas. Isso não é conhecido por instituições ou empresas.

A própria Samsung, na política de privacidade da companhia, alertou para o risco de captura e transmissão de dados sensíveis para terceiros caso a função esteja ligada em 2013, após a revista “Daily Beast” ter divulgado que em vez de usar o controle remoto, o espectador poderia controlar o aparelho apenas pela voz, bastando ligar a função e conectar o televisor à internet, era o suficiente para alguns comandos de voz serem transmitidos para um serviço de terceiros.

A Samsung não é a primeira companhia a enfrentar críticas por causa da coleta de dados dos usuários. Em 2013, consultores encontraram que televisores da LG estava capturando informações sobre os hábitos dos espectadores. A companhia criou uma atualização que permitia aos usuários desligar a coleta, caso não quisessem compartilhar as informações.

“Por favor, esteja ciente que se suas palavras incluírem dados pessoais ou outras informações sensíveis, essa informação estará entre os dados capturados e transmitidos para terceiros pelo uso do reconhecimento de voz”, declarou a Samsung, na ocasião.

Com a nova legislação europeia sobre o DPD (Regulamento Geral de Proteção de Dados), passaremos das palavras (os dados são nossos) aos fatos. Teremos de ser avisados ​​se a informação com a qual estamos lidando foi roubada (hoje ninguém o faz). Mas a experiência ensina que a imposição das leis sobre essas redes, capilares e vírus não será fácil. E há grandes falhas: as empresas que oferecem comandos de voz garantirão que nossas vozes sejam mantidas em seus servidores. Não há direito de cancelá-los quando revogamos o consenso ou alteramos os produtos. Talvez também sejam nossas impressões, nossos rostos e pensamentos uma vez concedidos: perdidos, para sempre.

Fonte: MSN, O Globo

“O que não me contam eu escuto atrás das portas.”  
- Dalton Trevisan -

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é sempre bem-vindo