quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

10 nações que raramente ouvimos falar



Nação é uma comunidade estável, historicamente constituída por vontade própria de um agregado de indivíduos, com base num território, numa língua, e com aspirações materiais e espirituais comuns.

É a reunião de pessoas, geralmente do mesmo grupo étnico, falando o mesmo idioma e tendo os mesmos costumes, formando assim, um povo, cujos elementos componentes trazem consigo as mesmas características étnicas e se mantêm unidos pelos hábitos, tradições, religião, língua e consciência nacional.


O site istverse elaborou um ranking das nações desconhecidas, algumas são muito distantes outras bem mais perto do que imaginamos. Confira.


A República da Lakota

Está localizado na América do Norte, é o tamanho da Síria. A República da Lakotah é uma entidade não reconhecida auto-proclamado dentro das fronteiras do Estados Unidos, alegando os estados de Dakota do Norte, Dakota do Sul, Nebraska, Wyoming e Montana. Desde o início de 2015, a Lakota está lutando pela independência e ser reconhecido internacionalmente.

elfandarilha© Wikimedia



Baluchistão

É a maior província do Paquistão e 11 de agosto de 1947 foi a data em que o Baluchistão se tornou uma nação independente. Está em luta permanente para a plena independência e autonomia de Islamabad.

© Wikimedia


Albânia del Nord

É um enclave de cerca de 40.000 gregos que vivem no sul da Albânia. Entre 1946 e 1986 a Grécia e a Albânia teriam competido pelo território. Embora o objetivo da população da província esteja fluindo para o território grego, este tipo de província é mais ou menos autônoma.
© Wikimedia



Abecásia

É uma região no Cáucaso e uma república autônoma no norte da Geórgia que se declarou independente, após a guerra civil em 1992-1993 que arruinou a economia local e matou milhares de civis. Permanece em grande medida de fato independente da Geórgia e mantém controle sobre grande parte do seu território, embora seja reconhecida internacionalmente apenas pela Rússia, pela Venezuela, pela Nicarágua e por Nauru. Sua capital é Sukhumi.

© Wikimedia


Ossétia do Sul

É uma pequena área de cerca de 4.000 quilômetros quadrados no norte da Geórgia, com cerca de 50.000 habitantes que são considerados, após o colapso da União Soviética, independente da Geórgia. Em 2015 seu presidente, Leonid Tibilov declarou sua intenção de voltar a ser parte da Rússia.
© Wikimedia



Barotze

Ele está localizado na África Central, é o tamanho da Inglaterra e em 2012 decidiu declarar unilateralmente a independência da Zâmbia, o governo com sede em Lusaka optou por ignorar este pedido.

© Wikimedia



Chinland

Situado em Mianmar ao longo da fronteira com a Índia e Bangladesh, que é o lar de cerca de 1,5 milhões de habitantes, com pelo menos seis grandes grupos étnicos, divididos em 63 tribos que falam cerca de 20 línguas diferentes. Até o século 18 era uma região independente e ainda maior, mas após o abandono do território pelos britânicos foi "absorvida" da Birmânia. Desde 1940 luta pela independência.

© Corto Maltese 1999



Degar 

O Degar têm uma longa história de tensões com a maioria vietnamita. Está localizado nas montanhas centrais do Vietnã. Aliados antes dos francês e, em seguida, pelos americanos durante a Guerra do Vietnã. Ainda estão lutando por sua independência.

© Foto UNPO



República de Nagorno Karabakh

É outro dos estados que se candidataram para a independência após o colapso da União Soviética, apesar de ter seu próprio governo e uma constituição, formalmente ainda é parte do Azerbaijão, com quem travou uma dura guerra de 1991 a 1994. Para todos "Hoje, nenhum país reconhece como um estado independente e continuam as hostilidades com o Azerbaijão.

© wikimedia



A Soberana Ordem Militar de Malta

Ao contrário de outras nações, é reconhecido em todo o mundo, tem relações bilaterais com centenas de países. Tem o estatuto de observador permanente nas Nações Unidas e seus passaportes são aceitos em todos os lugares, mas não tem nenhum território e nenhum pretendente. As origens estão longe, no século 11, durante o qual, obviamente, estavam em Malta até que, em 1798, após a chegada de Napoleão, a Ordem mudou para a Itália, onde agora tem o controle de dois edifícios em Roma, continua sendo um independente e funcional.

© Foto por wikimedia


"Nação e etnia podem viver sem conflito. Como aconteceu em inúmeros momentos históricos. Mas são também oportunidade para demagogos e ambiciosos promoverem os seus interesses pessoais ou de grupo."
 - Mia Couto -


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é sempre bem-vindo