sábado, 10 de janeiro de 2015

Conheça estes lugares antes que desapareçam


O aumento dos níveis dos oceanos, a desertificação, o derretimento de geleiras e o aumento dos eventos climáticos em geral estão destruindo algumas das mais belas paisagens do planeta. A seguir vemos alguns destes lugares que podem sumir nas próximas décadas.


Geleira de Athabasca, Alberta, Canadá

© Neale Clark/Getty Images

A geleira mais visitada da América do Norte, a Athabasca, no estado de Alberta, no Canadá, está perdendo anualmente mais de 20 metros de gelo, que se derrete pelo aquecimento global.


Os Alpes

© REX

Um dos mais famosos pontos para praticar esqui em todo o mundo, os Alpes ficam a uma baixa altitude nas Montanhas Rochosas Europeias. Especialistas afirmam que as montanhas perdem cerca de 3% de sua camada de neve por ano e que o gelo pode desaparecer completamente até 2050.


Ilhas Maldivas

© Doug Perrine/Nature Picture

Um dos arquipélagos mais baixos do mundo, com a maioria das ilhas com menos de um metro acima do nível do mar, em cerca de 100 anos as ilhas podem submergir com a elevação dos oceanos.


Glacier National Park, Montana, EUA

elfandarilha
© Denise Germann/AP Photo

Um dia o parque teve 150 geleiras, hoje tem 25. Até 2030 o número pode chegar a zero, o que não apenas deixará o parque "das geleiras" sem geleiras, mas prejudicará seu ecossistema.


Veneza, Itália

© Grant Faint/Getty Images

A cidade italiana, considerada um dos destinos turísticos mais românticos do mundo, está à beira da ruína. O aumento no número de inundações provocadas pelas chuvas cada vez mais severas a cada ano pode deixar Veneza inabitável até o final deste século.


Mata Atlântica, América do Sul

© YASUYOSHI CHIBA/AFP/Getty Images

O ecossistema da Mata Atlântica já foi um dos maiores do continente, com 1.350.000 km2 espalhados por Brasil, Paraguai, Argentina e Uruguai. Mas, devido à expansão da exploração madeireira e da agricultura, a floresta tem agora menos de 7% do seu tamanho original, em manchas isoladas, cada vez mais reduzidas pelas queimadas sazonais durante a temporada de seca.


Monte Kilimanjaro, Tanzânia, África

© PETER MARTELL/AFP/Getty Images

As neves eternas do monte Kilimanjaro existem há 10 mil anos, mas encolheu 80% no último século, de acordo com as Nações Unidas. Em 2009, cientistas previram que as geleiras devem desaparecer até 2022.




* É triste pensar que a natureza fala e que o gênero humano não a ouve. - Victor Hugo -




Um comentário:

  1. A vontade é grande para conhecer estes lugares, mas e para isso deve-se fazer um planejamento financeiro antes porque com o salário de porteiro e filhos na faculdade vou curtindo essas maravilhas pela internet por enquanto.

    ResponderExcluir

Seu comentário é sempre bem-vindo